Bom Conselho-PE,

Notícias

  • 11
  • Sep
  • 15

CONSUMIDOR CONSCIENTE

1. IDENTIFICAÇÃO

Título: Projeto Cívico
Instituição Promotora: Colégio de Nossa Senhora do Bom Conselho

Diretora: Ir. Maria Jailma

Secretária: Maria Lopes

Coordenação Pedagógica: Maria das Graças Alves

Orientadora Pedagógica: Maria do Socorro Alencar

Psicóloga: Dra. Andréia Colatino

Educadores do Projeto: Alda Márcia, Andréia Luíza, Jateane Severino, Paula Michely, Félix, Geyne Kelly, Simário Dantas, Suzana, Silma Brito, Betânia, Janua Coeli, Jailson, João Lucas, Ir. Solange Cruz, Fiama, Samila e Rafaela.

Tema:   CONSUMIDOR CONSCIENTE

 

2. APRESENTAÇÃO

      O projeto Cívico do Ensino Fundamental do CNSBC é desenvolvido numa linha  filosófica, progressista e educativa. Ele é filosófica porque em sua programação  ela trata da essência, propriedades e efeitos das causas sociais e históricas do nosso País, investigando a estrutura de uma sociedade capitalista onde está dividida em classes. 

       A apropriação econômica é o principal definidor da estratificação do nosso projeto . A hierarquia na sociedade capitalista está determinada pela posição que o indivíduo ou grupo ocupa na produção e no mercado, ou ainda considerando a capacidade de consumo. Se ocupar posição importante no mercado, automaticamente ocuparei posição importante na sociedade.

Normalmente se divide os indivíduos em classes de acordo com a capacidade de consumo: ex: classe alta, média e baixa; classe A, B, C, D e E.

 

       A sociedade capitalista é a mais desigual se comparada a outros tipos. Uma

minoria de pessoas se apropria de quase toda a riqueza produzida, expressa na renda, nas propriedades e também nos bens simbólicos expressos no acesso a educação e aos bens culturais como museus, livros, teatro, etc. a desigualdade pode ser observada na miséria de uns e riqueza de outros.

       No Brasil, para sermos um pouco mais específicos, diversas pesquisas recentes apontam um crescente desequilíbrio nas contas familiares, ocasionado principalmente pelo endividamento. Nos últimos anos, para fugir aos efeitos nefastos da crise financeira internacional, foram lançadas uma série de iniciativas econômicas com o objetivo de manter a economia em movimento e competitiva.

  Tratar deste tema é também importante para que os estudantes reconheçam a historicidade do uso do dinheiro, que possam perceber que a relação com o dinheiro se transforma historicamente e também espacialmente. Com este exercício, eles certamente terão condições de perceber o poder dos jovens e adolescentes sobre o mercado - que anima muitos setores da economia. Esta também é uma oportunidade dos estudantes colocarem-se criticamente em relação às próprias escolhas perante a variedade que o mercado oferece.   É por força dessas características que o Ensino Fundamental do CNSBC propõe aqui o Projeto Cívico.

3.  JUSTIFICATIVA

      Vivemos uma situação extremamente desigual ao consumo, visto que 16% da população do planeta, ou seja, cerca de 1 bilhão  de pessoas, são responsáveis por quase 80% do total consumido. Mesmo com tal concentração, já se consome 50% a mais de recursos naturais renováveis do que a Terra consegue repor ou regenerar. E com a entrada de 3 bilhões de novos consumidores no mercado de consumo de massa nos próximos 20 anos, precisaremos de cerca de 4,5 planetas para suprir todo o consumo se mantidos os padrões atuais. 

Estamos convencidos de que a realidade brasileira na busca de trabalho traz uma insegurança e dúvida quanto à falta de perspectiva futura, aliada ao temor à corrupção. A realidade divulgada por meio da comunicação social, não condiz com o fato vigente. Esse desencontro de informação causa dúvida e põe em risco qualquer julgamento sério. A coexistência de duas conjecturas, com o fim de embaraçar a realidade em nosso país, induz o erro e encanta o povo.

Estamos em uma sociedade em que o que temos revela a importância do que somos. Será que estamos vivendo bem com aquilo que temos? Precisamos dar menos importância àquilo que não é  fundamental para nossas vidas?

Este é o segredo da boa administração dos nossos bens: dar a devida importância às coisas desta terra e a devida importância às coisas do céu, não sejamos escravos daquilo que nós temos.

A necessidade de uma meta confiável que oriente o cidadão diante das incertezas é prioritária. Nada mais sério e urgente do que adotar posturas, que adiante descreveremos, e que, se adotadas, podem redirecionar, sem alterar o conteúdo, um futuro melhor para os nossos filhos, netos e descendentes neste fabuloso país que é o Brasil.

 

O homem é semigregário. Alguns de seus impulsos e desejos são sociais, outros são solitários. É pelo fato de não sermos completamente sociais que temos necessidade de ética para sugerir propósitos, e códigos morais para recomendar normas de ação. A doutrina do “Bem Comum” não é uma expressão nova. Foi mencionada na Idade Média por autores da remota antiguidade, entre os quais, Aristóteles. Há uma profunda ligação entre o “Bem Comum” e a sociedade. Quanto mais nos aprofundamos no estudo deste, tanto mais claro e definido transparece o “Bem Comum”.

O CNSBC vem através deste convocar  os estudantes para forma de consumir que consolida em uma “cultura de consumo”, expressa em hábitos cotidianos, e, como tal, é aprendida na infância e reforçada ao longo da vida. Uma das formas mais eficazes para que as pessoas se disponham a consumir de forma diferente é que desenvolvam esses hábitos desde cedo, conhecendo os impactos do consumo sobre a vida em geral e acumulando repertório sobre formas distintas de consumir, reforçadas pelos novos comportamentos de consumo.  O Economista Doméstico terá como valores básicos de conduta:

  1. Honestidade;
  2. Responsabilidade;
  3. Justiça Social;
  4. Seriedade;
  5. Liberdade;
  6. Fraternidade;
  7. Humanidade;
  8. Compromisso social com o desenvolvimento da pessoa humana;
  9. Trabalho.

4. PROCEDIMENTOS

 Colégio de Nossa Senhora do Bom ConselhoGINCANA CÍVICA 2015

 

 Regulamento Geral

Capítulo 1 – DA PARTICIPAÇÃO

 Art. 1º – Deverão participar todos os estudantes matriculados no Ensino Fundamental.

Capítulo 2 – DOS OBJETIVOS

 Art. 2º – GINCANA CÍVICA 2015 tem por objetivo geral Incentivar mudanças nos modelos insustentáveis de produção e consumo, é que a educação para o consumo consciente, principalmente de crianças e jovens, é um dos meios mais eficazes para promover a transição na cultura de consumo rumo a uma sociedade ambientalmente mais equilibrada e socialmente mais justa. 

Art. 3º – Os objetivos específicos são:

·       Gerar e propiciar situações em que os alunos despertem sua iniciativa

·       Integrar aos estudantes dos diferentes segmentos e de diferentes séries nas atividades da GINCANA CÍVICA 2014.

·       Favorecer a melhoria da qualidade de vida aos mais carentes.

·       Despertar a conscientização da comunidade diante da Ação Social.

·       Despertar o espírito de competição sadia;

·       Valorizar os estudantes em seus aspectos intelectuais, históricos, culturais e artísticos;

·       Apropriar- se de  conhecimentos como elemento educativo

·       Criar nos estudantes hábitos de responsabilidade

·       Aprender a escolher com consciência e doar por amor.

·       Educar, informar, sensibilizar, mobilizar cidadão para assimilarem, em seus comportamentos e atitudes, o conceito e a prática do consumo consciente

 

Capítulo 3 – DOS CONTEÚDOS

 

       Art. 4º – GINCANA CÍVICA 2015 terá os seguintes eixos a serem trabalhados:

·       Sociedade Capitalista

·       Economia Doméstica

·       Consumo e Consumismo

Capítulo 4 – DAS NORMAS E DISPOSIÇÕES GERAIS

 

Art. 5º – Serão considerados os seguintes aspectos disciplinares:

·       Respeito e aceitação dos colegas nas equipes;

·       Responsabilidade por danos materiais quando causados pela equipe, bem como primar pela harmonia na sua equipe e das equipes entre si.

 

 Art. 6º – Este Regulamento dispõe sobre a organização GINCANA CÍVICA 2015.

 

 

 Art. 7º – Todas as pessoas que participarem de qualquer forma do evento estarão sujeitas às condições deste Regulamento. Não serão aceitas alegações de desconhecimento deste documento, já que será dada a necessária e suficiente publicidade do mesmo, com o apoio imperioso das equipes danificarem o patrimônio do estabelecimento de ensino.

 

Art. 8º – Não serão consideradas, para efeito de pontuação, tarefas incompletas ou entregues fora do horário estipulado.

 

Art. 9º – As despesas que porventura surgirem na Gincana para realização das tarefas serão de responsabilidade de cada equipe.

 

Art. 10º – As sugestões e/ou reclamações deverão ser encaminhadas pela Equipe Diretiva .

 

 Art. 11º – Casos omissos referentes a este regulamento e à Gincana serão resolvidos pela Comissão Organizadora.

 

Capítulo 5 – DA ABERTURA À CULMINANCIA

 

 Art. 12º – A abertura da será realizada no dia 01 de setembro no CNSBC,no período 01 a 04 de setembro.

 

Capítulo 6 – DOS CRITÉRIOS

 

             Art.13º-  A Gincana Cívica tem um professor representante por turma.

            Art.14º - Fornecer a ficha de inscrição preenchida pelo professor representante  da sua turma .

            Art.15º identificar a participação de cada aluno na realização das tarefas da gincana.  Ter identificação própria indicando a turma (adereço visível)

Art.16º – A Torcida que demonstrar boa conduta, respeitando os demais, com espírito de equipe e animação, no final da Gincana receberão 10 pontos. Caso durante a semana haja algum tipo de desavença entre os participantes que requeira a intervenção dos professores ou equipe pedagógica, a equipe perderá essa pontuação.

Art. 17º – Todo estudante que estiver isolado, sem contribuir com os colegas, prejudicará sua equipe. Para cada aluno encontrado fora do grupo sem motivo, a equipe perderá 10 pontos.

 Art. 18º – Todos os estudantes deverão estar uniformizados, sendo obrigatório o uso da calça do uniforme e camiseta do colégio ou da cor de sua equipe.

Art. 19º A equipe perderá 10 pontos por aluno que não respeitar a regra.

Art. 20º – Os estudantes deverão ser pontuais e assíduos durante a realização das provas.

Art. 21º – Cabe a equipe trazer todo material exigido nas provas.

Art. 22º – Preparar-se e empenhar-se, membro a membro, na execução das tarefas de maneira a destacar o apreço pela escola.

Art. 23º - Cabe a turma incentivar os seus pais para participar da palestra, pois terá  1,0 ponto por representante.

Art. 24º – A premiação acontecerá por modalidade, e de cada uma sairá uma equipe campeã e será divulgada posteriormente.

Art. 25º – O estudante que não tiver participação em nenhuma das tarefas não receberá a pontuação extra;

Art. 26º - Cada equipe será responsável pela organização e limpeza de seu espaço, perdendo pontos quando não deixar o espaço limpo e em ordem no final do período.

Art. 27º-  Os objetos para doação deverão  ser entregues no dia 04 até às 8h.

Art. 28º-  A escola não será  responsável pelos objetos de troca(  é necessário a orientação dos pais em casa).

 

Capítulo  7 – DA  PROGRAMAÇÃO

01 /09:

 Orientação sobre Economia Doméstica; (Mediadora: Ir Maria Jailma – Diretora)

- 1º grupo- 1º Ano  A e B, 2º Ano  A e B(9h às 9h30min);

- 2º grupo –  3º ,  4º e 5º Ano (10h às 10h30min);

- 3º grupo – 6º Ano e 7º Ano (10h30min às 11h);

- 4º grupo -  7ª série 11h às 11h30min)

 

02/09: Feira da Troca ( às 10h30min às 11h30min);( Organizadores: Educadores      Responsáveis: estudantes)             

 

 

03/09:

Jogos de conhecimentos /explorando as temáticas do Projeto(Responsáveis: Educadores)

 

- 1º grupo- 1º Ano  A e B, 2º Ano  A e B(9h às 9h30min);

- 2º grupo –  3º, 4º  e 5º Ano; (10h às 10h30min);

- 3º grupo –6º Ano ,  7º Ano e 7ª série; (10h30min às 11h);

 

- Palestra para os pais: ( Tema: Economia do lar/às 19h)

   Mediadoras:  Gislene e Dr. Andréia

 

04/09: 

 

 -Apresentação de paródias (por turma de 8h às 9h10min); (Responsáveis: Educadores)

 - Dramatizações ( alusivas ao tema de 9h30min às 11h); (Responsáveis: Educadores)

 

- Resultado da Contagem dos objetos de doação e Resultado Final (11h30min)     (Responsáveis: Equipe Diretiva)

 

Capítulo  6 – DA PONTUAÇÃO

Art. 29º – A Comissão Organizadora da gincana não se contentará com o simples cumprimento das tarefas, mas também avaliará a qualidade e o esforço dispensados para sua realização, com simplicidade, respeito e criatividade.

 

Art. 30 º – A pontuação  será extra( 1,0 ponto por disciplina).

Galeria de Fotos